Para utilizar las funcionalidades completas de este sitio es necesario tener JavaScript habilitado. Aquí están las instrucciones para habilitar JavaScript en tu navegador web.

Moai Tau: Volta a Rapa Nui após 152 anos

Após 152 anos, os Moai Tau volto para Rapa Nui após estar exposto no Museu Nacional de História Natural (MNHN) localizado na Região Metropolitana do Chile, desde 1878.

Em 21 de fevereiro de 2022, o Moai iniciou seu processo de retorno à ilha, após diversos testes técnicos onde foi analisado seu transporte para que a peça não sofresse nenhum dano estrutural.

Esta figura monolítica, baseada em rocha basáltica, pesa 715 quilos e está montada em uma plataforma de concreto de 230 quilos. Para seu traslado, foi construída uma nova base metálica, pesando 116 quilos, e uma embalagem especial para sua proteção, pesando 194 quilos.

A etapa final da viagem, que aconteceu no dia 7 de março, começou com o desembarque em Rapa Nui do Moai Tau da barcaça Rancagua da Marinha para a barcaça da Sociedade Agrícola e de Serviços da Ilha de Páscoa (Sasipa). Feito o desembarque, o Moai foi transferido para o porto de Hanga Piko, sendo escoltado por um grupo de canoagem polinésia até sua chegada.

Uma vez no porto, foi recebido com uma cerimónia em sua homenagem, onde realizaram um pequeno Umu Hatu para augurar boas vibrações e abençoar o início dos trabalhos de instalação. Mais tarde, foi levado ao Museu Antropológico Padre Sebastián Englert em Rapa Nui, onde está localizado atualmente.

Ressalta-se que o Moai foi devolvido em decorrência do “Programa de Repatriação Ka Haka Hoki Mai Te Mana Tupuna”, que busca a devolução à ilha dos corpos de seus ancestrais, seus objetos sagrados e funerários, e cumpre o compromisso para restaurar bens patrimoniais como os Moai e os Ivi Tupuna (restos esqueléticos de ancestrais), preservados no Museu Nacional de História Natural.

O gerente do Explora em Rapa Nui, Gonzalo Droppelmann, destacou a importância deste evento, que marca um antes e um depois na ilha. Além disso, agradeceu o trabalho realizado por Mama Piru (Ida Hucke), que foi uma importante ativista no local, que iniciou o movimento de repatriação de objetos arqueológicos e que faleceu há 3 anos.

“Nos enche de alegria ver como o legado deixado pela nossa amiga Mama Piru está mais vivo do que nunca. Este é um grande esforço de conservação, com o trabalho de muitos anos. Esse tipo de iniciativa de repatriação de objetos não tem muita história, é algo relativamente novo e de alto valor. Rapa Nui está fazendo história”, comentou Gonzalo Droppelmann.

CULTURA ANCESTRAL

Os moais para o povo de Rapa Nui representam o espírito de seus ancestrais e são considerados a reencarnação de uma pessoa, armazenando sua energia ancestral. Na língua pascal, estes são chamados de Moai Aringa Ora, que significa “o rosto vivo de nossos ancestrais”, cujo objetivo era conservar a energia do falecido, a mana, para proteger a tribo e cuidar de suas colheitas e animais.

 

Fonte: BioBio Chile e Governo do Chile


Load: 96 queries - 283ms - 23.3MB - 1233 cache hits / 1338
Query: 112 queries - 380ms - 24.1MB - 1401 cache hits / 1519
Display: 312 queries - 722ms - 28.6MB - 5164 cache hits / 5472