Para utilizar las funcionalidades completas de este sitio es necesario tener JavaScript habilitado. Aquí están las instrucciones para habilitar JavaScript en tu navegador web.

O reino fungi no Parque Nacional Patagônia

O outono é, sem dúvida, um período especial para quem visita a floresta decídua, não apenas por suas cores, mas também pela chegada de diferentes tipos de cogumelos na Patagônia.

Os Cogumelos

Eles não são plantas nem animais, mas constituem seu próprio Reino, o Fungi. Além de serem os grandes recicladores, nas florestas do Parque Nacional Patagônia estão associados ao Nothofagus, sendo o mais emblemático o cogumelo morchella ou morilla. Este cogumelo tem um valor gastronômico excepcional, que hoje o coloca como o terceiro cogumelo mais caro do mundo.

Os cogumelos, assim como as plantas, são sésseis, ou seja, vivem a maior parte do tempo ligados a um determinado substrato. Isso pode ser a terra, madeira ou outros corpos dos quais eles podem se alimentar. No outono (alguns também na primavera) crescem seus corpos de frutificação responsáveis ​​pela produção de esporos cuja função é a reprodução sexual.

Cogumelos da Patagônia

Na região de Aysén existem espécies de cogumelos que historicamente foram usados ​​como alimento pelos povos nativos. Os cogumelos popularmente conhecidos como Pan de Indio ou Pan de Monte (Cyttaria harioti) são coletados e cozidos pelos Tehuelches. No caso dos digüeñes (Cyttaria darwinii), são um ingrediente culinário típico das populações Mapuche. Esses cogumelos são encontrados nos troncos de várias espécies de Nothofagus, das quais são parasitas. Isso significa que causam certos danos aos seus hospedeiros e, neste caso, as árvores apresentam tumores globulares chamados de “nós”, que obstruem os ductos de seiva.

Quanto aos cogumelos mais coloridos que se podem encontrar nos solos desta floresta, destaca-se a presença de Cortinarius magellanicus, cuja cor púrpura brilhante costuma ser vista aos pés de coigües e lengas. A goma da floresta (Heterotextus alpinus), embora tenha pequenos corpos de frutificação, destaca-se pela sua forte cor avermelhada. Ao contrário da anterior, esta desenvolve-se sobre ramos e madeira morta, que ainda mantêm a humidade do inverno.

(Imagem de Patricio Jiménez Barros)

Nem todos os corpos de frutificação proliferam no outono, alguns também na primavera. É o caso dos morillas (gênero Morchella) cuja diversidade de gênero é ampla e distintiva na região de Aysén. Está distribuído no chão da floresta, mas também é possível encontrá-lo em lugares inesperados, como em vales, pátios e pastagens. Hoje, O morchella está ameaçado devido à “febre” que existe entre coletores e intermediários para obter esse cogumelo de alto valor comercial.

Embora haja morilla em outras partes do mundo, Claudia Gómez sustenta que o morilla de Aysén e do Parque Nacional Patagônia, por estar associado às árvores de Nothofagus, tem um sabor muito particular e propriedades organolépticas que o diferenciam de outros cogumelos existentes. As alterações climáticas, a desertificação, os incêndios intencionais e as más práticas de recolha sem um protocolo sustentável colocam em risco a presença deste delicioso cogumelo. Hoje, grupos de catadores como Patagônia Intensa, cuja presidenta é Nils Nildeen, têm se preocupado em conscientizar sobre práticas sustentáveis ​​de colheita. Eles também tentaram evitar o uso de intermediários em favor de coletores locais que criam subprodutos de morilla. Isso permite garantir que este produto nativo possa se recuperar em cada estação.

(Imagem de agricultores.com)

Há uma quantidade considerável de cogumelos na região de Aysén, mas não se sabe exatamente quantos existem, muito menos no Parque Nacional Patagônia. Em geral, existem poucos estudos sobre a diversidade fúngica no Chile, seja microscópica ou macroscópica. No entanto, é uma área incipiente em que atualmente existem muitos grupos dispostos a estudar esses pequenos seres que inundam as florestas e os pampas.

*Esta informação foi obtida graças a Sánchez Jardón et al, 2017.


Load: 96 queries - 293ms - 23.3MB - 1233 cache hits / 1338
Query: 112 queries - 373ms - 24.1MB - 1401 cache hits / 1519
Display: 324 queries - 758ms - 28.7MB - 5242 cache hits / 5558